quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Relato - Pedal na Terra das Cachoeiras Gigantes 2013

Galera, é a quarta vez que vou para este local, e não me canso mesmo....

2008 - Primeiro pedal que fizemos no local, base Cascavel Bikers, 10 cicistas fizeram um voto de confiança em mim, e quando me perguntavam se eu conhecia todo o trecho, sinceramente, dizia que não.... e naquela epoca nem GPS nós tinhamos... foi um ótimo pedal, 2 dias apenas, e 130 km

2011 - Parceria Cascavel Bikers e Roda Livre de Curitiba, saímos em 11 de Cascavel, e de Ctba foram mais uns 6, se não me engano, fizemos o mesmo trajeto, sem alterações, foi um ótimo pedal, com muito sol novamente, e muito mais gente desbravando estas Cachoeiras

2012 - Inovações a vista.... Do Cvel Bikers, só fui eu, o Cambota foi em peso, e com uma parceria minha e do Jean, tranformamos o pedal em 3 dias. Primeiro dia São Francisco, Segundo Mlot, São Sebastião, Perehouski, São João, e no Terceiro, a subida da serra. Um pedal pra poucos, muito desafiador, e tivemos um clima bem agradável nos 3 dias. Eu fiz 235 km, mas uma galera chegou nos 255 km.

Este ano foi show novamente, e os cabeções foram o Jean e o Magno, já grupos, bem, West Bikers, Catraca, Cambota e Cascavel Bikers, que um grupo mais unido que este?? parabéns a dupla organizadora...

Dois dias antes de comecar o pedal, surgiu uma oportunidade de iniciar o pedal com a galera de Guarapuava, e foi isso que aconteceu.

Primeiro dia
A galera de Cascavel sai em 14/11, quinta, com destino a Gpva, dormindo no Hotel Soledade, como sempre. Eu saí cedinho de Ponta Grossa e 7:30 da matina eu estava lá.... conseguimos sair do Hotel só as 8h, em mais ou menos uns 16 ciclistas.... encontramos a galera de Gpva que estavam em uns 10 nos aguardando, assim, seguimos juntos durante uns 5 km no asfalto, porém, a galera queria seguir pela terra, e eu, tb..... quem também foi junto nessa, foi o super campeão de MTB Sergio Bays, que mostrou todo seu conhecimento nas estradas de terra e com muitas pedras, até dei uma boa dica pra ele nas descidas, "não precisa usar freio nelas", hehehehe.
Enquanto a galera de Cvel seguia pelo asfalto, nós seguimos pelas estradas rurais, terreno acidentado, muitas pedras, um pouco de pedra irregular nuns trechos mais íngrimes, e até uma leve queda do Serjão, e na subida, por incrivel que pareça. Depois dos estradões, pegamos um trecho no meio do mato, single track, achamos uma casa no meio do nada, fotos, e continuamos... 2 porteiras pra passar, e não tinha como não falar do nosso homem bomba em cima da bike, direto do Al Qaeda para as trilhas de Guarapuava, hehehe... e eis que no meio do nada, surgem fogos.. isso mesmo, fogos de artifício no meio do matão... dá pra acreditar???? hehehehe
Chegamos no asfalto, seguimos mais um pouco e chegamos na cachoeira, a galera de Cvel já havia chego lá a mais de meia hora..... e já estavam todos almoçando. Depois do almoço, fui dar uma olhada nas cachoeiras com o Sergio, e acabei levando um capote num toco no meio da trilha..... voltando para a entrada, a galera já estava se preparando pra voltar a pedalar, tiramos fotos, agradecemos a companhia da galera de Gpva, e seguimos nosso estradão. Eu e o Sergio saímos atrás da galera, e aos poucos íamos passando a galera, meu motor já estava em aceleração máxima, e o Serjão afim de pegar a galera da frente... e assim foi... segui um bom trecho com o Luciano, e qdo comecamos a descer a serra, não deu tempo pra falar isso pra ele, resultado, ele não conseguiu fazer a primeira curva.... mas nem caiu, só deu aquela saída da pista... até o final do trecho, ele saiu mais umas duas vezes, hehehe. Mas isto aconteceu com alguns durante a descida, pra quem não conhece, é normal mesmo.....
Paramos naquele bar da Fanta Uva, lembram??? e lá esperamos a galera chegar. O pelotão da frente com o Sergio, Diego e Magno estavam esperando na ponte. Descemos pra lá, e eu nem parei, segui direto.... a galera do fundão acabou entrando no rio. Na metade da subida, o Sergio e o Diego me passaram novamente, impossivel acompanhar eles. Até chegar no asfalto, mais uns me passaram, Fabricio, Magno e cia... O pedal não estava nenhum pouco fácil, muito sol e temperatura lá em cima.... mas foi um ótimo primeiro dia de pedal.

Distância:101.97 km
Tempo:7:10:47
Veloc. Média:14.2 km/h
Ganho de elevação:1,885 m
Calorias:4,283 C
Temperatura Méd.:26.9 °C

Segundo dia
Chuva, isso mesmo, comecamos o dia ouvindo a chuva cair, e comecar a pedalar com este tempo não é fácil não... Com muitas duvidas, o Magno nos guiou por dentro da cidade até a ponte, sentido PG, e de lá, só mais 3 km de asfalto, e entao, entramos a esquerda, sentido cachoeira Barão. E olha, o barro estava ótimo, tudo muito molhado, pedras, e trecho bem pesado. Primeira parada no Recando Rickley, demos uma olhada lá, e seguimos para o Barão, e aí sim, estacionamos as magrelas por lá, e descemos os degraus até proximos da queda. Lá em cima, foi possivel ficar bem na beirada da cachoeira.

Depois disso, mais 4 km até o asfalto de muito barro. No asfalto, demos uma lavada nas bikes, e seguimos a toda sentido Perehouski. Com 1:50h, fiz os 36km até nosso local de Rango, era 12:30 qdo eu e o Sergio chegamos lá, e já comecamos a nos servir... a galera foi chegando aos poucos e já formando fila para o almoço. Não podia deixar de comentar alguns fatores neste trecho de terra, antes de chegar no almoço, o Jean pegando carona no carro, como sempre né, e eu e mais uma galera empurrando em algumas subidas.... acho que não estava mesmo nos meus melhores dias, hehehe. No recanto, muitas fotos, banhos, risos e muitos escorregoes... aquelas pedras estavam muito lisas.... Voltamos a pegar as magrelas, sentido São Sebastião e Mlot, e do nosso lado esquerdo, a chuva já aparecia, e alguns pingos já estavam caindo.... e foi só chegar na entrada da cachoeira, que a chuva veio, leve mas veio. Comecamos a descer as trilhas, que estavam bem molhadas e lisas, e sem nenhuma cobra ou sustos no meio do caminho, chegamos lá em baixo, e quem falou que estava frio??? seguimos direto pra debaixo da cachoeira, e eu, posso dizer q fiquei uns 10 minutos debaixo daquelas quedas, e as costas saíram vermelhas..... depois, foi só subir a trilha e voltar pedalando, com chuva, decidimos abortar o trecho maior que iríamos fazer, e com isso, seguimos direto para a cidade, e no final da terra, encontramos um local para lavar as bikes.... Na frente, estava o Sergio a milhas de distancia. Quando cheguei para lavar a bike, o Diego já estava saindo, e com isso, eu e o Fabricio quase que tomamos um banho com aquela mangueira. Depois de quase limpos, ele decidiu esperar o pessoal, e eu segui no meu ritmo... estava bem tranquilo e seguindo de boa, porém, com 72 km acumulados, vi o Diego no final da subida, e eu estava só no começo dela, entao, com o objetivo de passar ele, comecei a forçar, e acelerei mesmo.... baixei a rota no GPS e estava analisando as subidas e descidas. Depois de 7 km na caça dele, consegui chegar no Diego na ultima subida, desafio conquistado, ufa......
Para mim, o pedal foi assim, abortei o ultimo dia, pois a previsão era chuva, e tinha conseguido uma carona até Gpva pra pegar o carro, mas de qualquer maneira, o pedal foi ótimo....

Distância:82.50 km
Tempo:5:35:37
Veloc. Média:14.7 km/h
Ganho de elevação:1,226 m
Calorias:3,097 C
Temperatura Méd.:21.5 °C

Terceiro dia

O último dia teve apenas 8 ciclistas, e a galera acabou seguindo pelo asfalto mesmo, e ao meio dia chegaram em Gpva. Não pegaram chuva, mas tempo carregado em todo o trecho, e mais 80 km.

O pedal foi ótimo, a companhia da galera foi show, muitos cornetas neste grupo, eu não lembro o nome de todos, então vai uma cola de quase todos....

Anderson FryderAdriane BilibiuJean Cezar MoresJean Felde de LizAlcir CeolaMagno JeanJosneia SoaresFabricio GressanaLuciano Carvalho,Marcelo SoaresSergio BaysSandra BalboMaria Lúcia BonfleurDiego BessaniCharles Noveli e Antônio José Panato em Prudentopolis.

Um abraço e até a proxima...

Um comentário:

Zona Cinquenta e Cinco disse...

Espetáculo de reportagem. Grande aventura e boas fotos, mas julgo que ficaria bem melhor se escolhesses mais fotos (as mais interessantes) para colocar junto do texto e deixar as restantes para o álbum Picasa. Eu também fazia assim no nosso blogue, mas os leitores pediram mais fotos, pois o impacto da reportagem fica maior e torna-se mais atraente a leitura do relato.

Grande abraço, Valério